I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Palpitações e arritmias: diminua o risco de complicações






 A fibrilação atrial (FA) é uma arritmia cardíaca frequente. Ela se apresenta como uma alteração da regularidade dos batimentos cardíacos. Apesar de ser conhecida há quase 100 anos, sempre foi vista pelos médicos como uma arritmias "benigna". Nos últimos anos ficou confirmada sua associação com derrames (AVC) e mesmo aumento da mortalidade. 

 Muitas vezes ela não apresenta sintomas, sendo diagnosticada apenas durante consulta de rotina portanto, a identificação dos fatores de risco é importante. 

 Procurando entender melhor estes fatores, um grupo de médicos acompanhou um grupo de mais de 22 mil adultos por mais 11 anos.
 
 Foram realizadas diversas exames (peso, altura, colesterol, pressão arterial, sintomas medicações e outros fatores) periódicas e observou-se que as pessoas com pressão alta (hipertensão arterial), obesas e com queixas de palpitações tem mais chance de apresentar esta arritmia.

 Porque isto é importante? Devido ao aumento da chance de provocar derrames, o tratamento da fibrilação com remédios anticoagulantes é recomendado para a grande maioria dos portadores desta arritmia.



terça-feira, 19 de março de 2013

Morte súbita e casamentos: a união perfeita?





  O ataque cardíaco é mais perigoso em pessoas que vivem sozinhos do que nos casados ou com uniões estáveis, de acordo com pesquisadores finlandeses após avaliar mais de 15 mil casos.
 Esta diferença ocorreu principalmente quando ocorre que uma parada cardíaca fora do hospital. 
 Outras pesquisas ja demonstravam que os homens solteiros ou que moram sozinhos têm risco maior de doença cardíaca e morte, porem pouco se conhecia sobre o efeito do casamento nas mulheres.
 Este estudo mostrou que entre as mulheres 3 em cada 4 eventos ocorreram naquelas que moravam sózinhas.

 "Nosso estudo sugere que o casamento reduz o risco de morte devido em homens e mulheres em todas as idades", concluíram os autores. 

  Outro achado interessante é que o risco de morte após a alta é praticamente o dobro nos solteiros em ambos sexos.
  Portanto, para o coração a união estável além de diminuir o risco de ataque cardíaco ou morte súbita, diminui a mortalidade após a alta hospitalar.


Os fabricantes de dispositivos de fitness ou qualquer dispositivo com sensores relacionados com a saúde, geralmente são cuidadosos e r...