I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Marcapassos e a saúde do papa




Reproduzo excelente post do dr. Marcio de Figueiredo, UNICAMP, sobre a relação entre os marcapassos e a renuncia papal.

Carnaval, tempo para a folia de uns, descanso e reclusão de outros… E nesse ano, nada sugeriria que fosse diferente, até que… O Papa renunciou! Estávamos todos acostumados com a ideia de sucessão por falecimento do Santo Padre – a última renúncia foi a do Papa Gregório XII (1406 a 1415), há quase 600 anos. Esta, então, deixa a todos aturdidos e buscando explicações.
Imediatamente, autoridades eclesiásticas e estudiosos tentam achar explicações, entre elas o estado de saúde e as implicações na função de Chefe da Igreja, com viagens e compromissos internacionais. E, em meio dessas notícias, nos deparamos com uma informação surpreendente: o Papa tem um marca-passo!  Mais ainda: foi recentemente submetido a uma pequena cirurgia para a troca da bateria do aparelho! Será que, enfim, esse é um motivo para o ocorrido?
Não, não é. É bom esclarecer o assunto, já que é um erro comum que nós, especialistas em alterações do ritmo cardíaco, nos deparamos, isso sim, diariamente. E, por isto, se faz necessário explicar à população leiga sobre os implantes de dispositivos implantáveis, como marca-passos e desfibriladores (CDIs).
Especificamente para este caso, vale uma curta e objetiva explicação: O que é um marca-passo? O coração tem um sistema elétrico natural, que comanda o ritmo cardíaco todos os dias, ininterruptamente, desde antes do nascimento. Mas esse sistema pode apresentar falhas, por desgaste ou até mesmo por problemas antes do nascimento. Nesses casos, o coração pode bater mais lentamente do que o necessário, podendo acarretar em riscos para a saúde ou para a vida. Assim, na metade do século passado foram desenvolvidos aparelhos implantáveis que, através de circuitos eletrônicos, garantem o ritmo cardíaco. Com o tempo, os aparelhos foram aperfeiçoados, e os mais modernos têm novas funções, como a possibilidade de tratamento de paradas cardíacas, ou que auxiliam alguns casos de enfraquecimento do músculo cardíaco.
Essas pequenas maravilhas da tecnologia, que normalmente têm o tamanho de uma bateria de telefone celular, salvam milhões de vidas no mundo todo. Na Unicamp, assim como em vários hospitais no Brasil e no mundo, os implantes são procedimentos rotineiros. E, periodicamente, é feita a análise por aparelhos especiais, que indicam, inclusive, qual o momento da troca da bateria, que é feita através de um procedimento cirúrgico relativamente simples.
Mas é comum relacionar a prótese a incapacidades físicas e laborais, embora na maior parte dos casos isso não ocorra. Quando é indicada a colocação do aparelho, o objetivo é fazer com que o paciente retome uma vida praticamente normal. Existem pequenas limitações, sim, que são explicadas pela equipe ao paciente ou aos familiares. No entanto, o que muitas vezes ocorre é a progressão da doença que levou ao aparecimento do distúrbio do ritmo. Nesses casos, o prognóstico depende da doença cardíaca, e não do uso do marca-passo.
Deve haver, portanto, outras causas para a renúncia. A profundidade do debate, e o interesse sobre o tema, dependem de cada um. Mas estou certo de que o Papa fez sua escolha com liberdade e sabedoria. E espero que ele continue com saúde e com a pilha nova: o marca-passo poderá ajudá-lo nessa nova fase!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Casado(a)? Sua chance de morrer por doença do coração pode ser menor!

Pessoas com doença cardíaca  casados apresentam menor risco de morte por doenças do coração assim como de outras doenças do que os não...