I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Vitaminas e o coração: esperanças ou especulação?






  Talvez um dos pontos mais controversos na medicina seja o o uso de "complexos de vitaminas" para a prevencão de doenças.  Estudos médicos já mostraram resultados completamente diversos e muitas vezes até enganosos. Estes resultados tem servido para rotular os médicos em dois grandes grupos, aqueles contra ou a favor do uso de vitaminas. Todos aceitam que em determinadas doenças, algumas vitaminas são o melhor tratamento mas a grande dúvida é sobre o uso de fórmulas prontas, os chamados "complexos multivitamínicos" a venda nas farmácias.

 Publicação recente onde foram avaliados mostra 15 mil médicos acompanhados por 11 anos não demonstrou nenhum benefício dos multivitamínicos para prevenção de doenças cardiovasculares em homens, sendo avaliados infarto, derrames (AVCs) e morte por doença do coração.  Os multivitamínicos também não foram benéficos no pequeno subgrupo de homens que já tinham história de doença cardiovascular.

 Comentário: Estes resultados parecem refutar a sugestão (ou esperança) de que a suplementação de vitamina impede a doença cardiovascular, pelo menos nos homens.



fonte

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Fumo, mulheres e doenças do coração: combinação perigosa





 O tabagismo é uma das  principais causas de morte evitável. Estudo médico realizado pela universidade de Oxford (Inglaterra) avaliou mais de um milhão de mulheres.
 As fumantes apresentaram um risco três vezes maior de morte por doenças do coração.
Entre 1996 e 2001, os pesquisadores recrutaram 1.300 mil mulheres entre 50 e 65 anos, as quais foram avaliadas 8 anos após a primeira entrevista.
 No início do estudo, 20% das mulheres eram tabagistas, 28% eram ex-fumantes e 52% nunca fumaram. Os pesquisadores descobriram que as mulheres que fumavam cigarros tiveram risco três vezes maior de morrer em comparação com os não fumantes e mulheres que param bem antes de meia-idade.
 Até mesmo as fumantes leves (menos de 10 cigarros por dia) tinham mortalidade duas vezes maior do que as não-fumantes.
 Aquelas que param de fumar antes dos 40 anos tiveram o risco de morte súbita reduzido mais de 90%, enquanto as mulheres que pararam antes dos 30 anos diminuíram ainda mais o risco.
 Os autores do estudo observam que, as mulheres que fumam têm um risco maior de doenças cardíacas do que homens fumantes.
 Fatores comportamentais, como o fato de que as mulheres tendem a inalar mais profundamente do que os homens, também podem desempenhar um papel. "Nós simplesmente não sabemos, mas é intrigante e merece um estudo mais aprofundado", dizem os pesquisadores.
 Embora a incidência do tabagismo caiu em grande parte no Ocidente desde a década de 1940, novas evidências sugerem seu aumento nos países em desenvolvimento. Em agosto, a Organização Mundial da Saúde divulgou um relatório que mostra que as taxas de tabagismo global, atingem quase 10 % das mulheres, principalmente nos países de baixa renda e em jovens.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Arritmias cardíacas e risco de morte súbita: mitos e verdades




MORTE SÚBITA: MITOS E VERDADES

Dia 12 de novembro é o dia nacional de prevenção da morte súbita cardíaca. Apesar de pouco divulgado, este tipo de calamidade provoca mais de uma morte por minuto só no Brasil !! É importante conhecer um pouco mais sobre esta situação pois podemos salvar uma vida com manobras simples:

MITOSomente indivíduos idosos têm arritmias cardíacas e podem sofrer morte súbita.
VERDADE: A maioria das vitimas de morte súbita se encontra em sua idade mais produtiva (dos 40-60 anos). Esses males podem ocorrer em qualquer faixa etária, mesmo em recém-nascidos. A maior porcentagem de ocorrência está em pessoas que possuem doenças cardíacas ou já sofreram parada cardíaca, bem como naqueles que têm histórico de doenças da família (pais, irmãos etc.).

MITO:  morte súbita acontece apenas em atletas/esportistas.
VERDADE: qualquer pessoa pode estar sujeita,principalmente aquelas com fatores de risco para doenças cardíacas.


MITO: Arritmias cardíacas fatalmente provocam a morte súbita.
VERDADE: Mais de 95% das mortes súbitas ocorrem fora do ambiente hospitalar. A rápida desfibrilação e o suporte básico de vida podem aumentas a taxa de sobrevida em longo prazo. Em caso nos quais o acesso aos desfibriladores ocorre no período entre cinco a sete minutos após a parada cardíaca, a sobrevida é maior que 49%.


MITO: Como, fumo e bebo em excesso. Para compensar, pratico exercícios físicos.
VERDADE: O correto é mudar os hábitos alimentares, baixar o colesterol e então começar a se exercitar. A recomendação dos médicos é que ninguém inicie um programa de exercícios físicos sem pelo menos fazer um eletrocardiograma, embora ideal seja um teste ergométrico. Também não se deve iniciar o programa antes de parar de fumar, de beber em excesso ou de emagrecer.

MITO: Tenho arritmias cardíacas, portanto não posso praticar atividades físicas.
VERDADE: Atualmente são tão modernos os recursos da medicina que, mesmo tendo um problema cardíaco, um paciente poderá se exercitar. Mas apenas o médico é capaz de definir o tipo de exercício a ser realizado.

MITO: Meu médico diagnosticou que tenho arritmias, portanto sofrerei de morte súbita.
VERDADE: As arritmias podem surgir em indivíduos aparentemente normais e não estar relacionadas a aumento do risco de morte, sendo considerados de caráter relacionados a aumento do risco de morte, sendo considerados de caráter benigno. Nesses casos, o diagnóstico e o tratamento adequados poderão levar ao controle ou cura.

informações compiladas do site da SOBRAC.

Os fabricantes de dispositivos de fitness ou qualquer dispositivo com sensores relacionados com a saúde, geralmente são cuidadosos e r...