Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2011

Apareceu um bloqueio no eletrocardiograma..... e agora?

Imagem
Os batimentos cardíacos são gerados no coração e conduzidos por um sistema de células semelhantes a uma rede elétrica. Os ramos direito e esquerdo são partes deste sistema elétrico do coração. Eventualmente, um dos ramos torna-se danificadas ou doentese não conduzem os impulsos elétricos do coração. Quando isso acontece, alterações importantessurgem noeletrocardiograma(ECG), permitindo que o médico faça o diagnostico de bloqueio do ramo direito (BRD) ou bloqueio do ramo esquerdo (BRE).
Na maioria dos casos, bloqueio de ramo não é um problema médico sério e não necessita tratamento médico, apenas acompanhamento com a realização de eletrocardiograma. No entanto, o aparecimento de bloqueio de ramo (BRE mais do que BRD) pode ser um importante sinal de que existe doença cardíaca, a qual deve ser afastada pelo médico.
Em muitos indivíduos, a evidência de bloqueio parcial, ou incompleto, do ramo está presente no ECG. Como acontece na presença de bloqueio completo do ramo, os bloqueios parciais…

Palpitações: dúvida frequente no consultório

  Tenho episódios ocasionais de palpitações. Na última consulta meu médico viu o eletro e disse que eu tinha fibrilação atrial e pediu para começar a utilizar anticoagulante. Li na Internet que estes remédios podem ser perigosos, o que devo fazer?   A decisão decomeçar a tomaranticoagulantes (Warfarina, Marcumar) para fibrilaçãoatrialisolada (fibrilaçãoatrialsem outra doença cardíaca)ou qualquer outro distúrbio do ritmo cardíacodepende de vários fatores.A maioria dos cardiologistasutiliza algum esquema para classificação de risco, estes protocolos auxiliam para que a melhor conduta seja escolhida. Alguns aspectos que os protocolos levam em consideração:   Idade nãoé fator de risco até75 anos; insuficiência cardíaca; diabete e pressão alta. elevam o risco, principalmente quando associadas. O maior fator de risco é a presença de um derrame ou outro tipo de doença vascular prévia.   Se duas destas alterações estão presentes a grande maioria dos médicos inicia o uso de anticoagulante. Com re…

Batimentos cardíacos irregulares (arritmias) podem aumentar risco de de demência

Imagem
O estudo avaliou 3.045 indivíduos acompanhados na média por sete anos. A idade média no início do estudo era de 74 anos. Pessoas com fibrilação atrial dequalquer tipoforam também mais propensos a ter outros fatores de risco cardiovascular  do que aqueles sem arritmia.Assim, os pesquisadores buscaram saber o impacto isolado da presença desta arritmia. Durante o período do estudo, a presença de fibrilação atrial aumentou em aproximadamente 50 % o risco do surgimento de demência, incluindo doença de Alzheimer. Este risco foiaumentadomesmo naquelas que não desenvolveram AVC (derrame cerebral).

   É bom lembrar que afibrilação atriale a demência aumentam com a idade, Portanto um estudo prospectivo que demonstre que a presença da arritmia pode ser um responsável pelo desenvolvimento de demência deveaumentar nossos esforços na prevenção e tratamento destaarritmia consideradabenigna

Manifesto pela prevenção de morte súbita no Futsal

Imagem
Em uma iniciativa inédita em nosso meio, um grupo de preparadores físicos e técnicos de futsal da Federação Paranaense de Futebol de Salão publicaram uma carta aberta chamando a atenção de toda a sociedade para  a prevenção de morte súbita nos atletas profissionais e amadores.  Dentre várias ponderações eles sugerem aumentar a atenção dos clubes sobre a necessidade da presença de um desfibrilador portátil nos ginásios de competição.  Recomendam a realização de avaliação cardiológica completa antes da prática da atividade esportiva em todos os atletas e, especialmente acima dos 35 anos. A utilização de anabolizantes, anfetaminas, suprimentos energéticos e bebida alcoólica também é alvo de atenção dos preparadores. " Se não tomarmos as medidas cabíveis, veremos mais atletas morrendo dentro de quadra, deixando para trás suas famílias e amigos". Acredito que estes profissionais estão assumindo uma postura corajosa, enfrentando um problema que é adequadamente valorizado e potencial…

Insuficiência cardíaca: quando o coração cansa

Imagem
A função principal de nosso coração é bombear o sangue para nutrir todas as células do organismo. Este bombeamento é realizado pelo músculo cardíaco (miocárdio) que enche as cavidades do coração de sangue e depois se contrai impulsionando o sangue. A insuficiência cardíaca (coração grande) acontece quando ele deixa de atender a esta função, ou seja: perde a capacidade de bombear a quantidade de sangue necessária para atender às demandas do corpo. O coração usualmente aumenta de tamanho na tentativa de compensar sua falta de força.
  Pessoas com insuficiência cardíaca (coração cansado) muitas vezes sofrem de falta de ar e cansaço, além de dificuldades com a respiração durante a realização de esforço físico.  Em algumas as pernas podem inchar, mais frequentemente a noite. 
  Hoje os médicos sabem que pessoa que tem outras doenças do coração tem maior chance de apresentar insuficiência cardíaca. Esta doença é muito séria não apenas por ser debilitante, mas também por aumentar muito a mort…

Anti inflamatórios e arritmias cardíacas

Imagem
Em estudo médico recentemente publicado  observou-se que a utilização de remédios anti-inflamatórios pode aumentar o risco de fibrilação ou flutter atrial    Participaram do estudo aproximadamente 30 % da população (1.7 milhão de habitantes) da  Dinamarca.Destes, mais de 32 mil foram internados devido ao primeira crise fibrilação ou flutter atrial. Após criteriosa avaliação estatística observou-se que a utilização de antiinflamatórios não esteróides (a grande maioria daqueles a venda nas farmácias) aumentou o risco para o aparecimento destas arritmias. A idade média destes pacientes com arritmia foi de 75 anos e a maioria homens. Este estudo devido a envolver um número muito grande de indivíduos deve servir de alerta. 
  Novos estudos deverão ser realizados para confirmar os achados deste estudo.
 Sempre é bom lembrar que todas as medicações podem apresentar efeitos indesejáveis e só utilizadas quando indicadas por um médico. Qualquer  efeito inesperado deve ser comunicado.