I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

domingo, 10 de outubro de 2010

O ataque cardíaco é menos perigoso agora do que há alguns anos




Décadas atrás, um ataque cardíaco era frequentemente mortal, matando até a metade de suas vítimas em poucos dias.  Os médicos foram ensinados que o melhor tratamento no ataque cardíaco era mantê-los calmos e tranquilos, aliviar sua dor no peito, fazer o que fosse possível para evitar problemas de ritmo cardíaco, e espero que outro ataque do coração não estivesse em seu caminho.
Hoje, mais de 90% das pessoas sobrevivem a um infarto do miocárdio. Esse é o termo técnico para o ataque cardíaco, que significa uma área do músculo cardíaco danificado e morrendo causada por uma interrupção no fornecimento de sangue. Parte da diminuição do número de mortes é devido à habilidade dos médicos para diagnosticar e tratar melhor e mais rapidamente ataques cardíacos potencialmente fatais.
O que mudou?
Grande parte da melhora na sobrevida ataque cardíaco é causada por um maior entendimento das sua principal causa: a formação súbita de coágulos bloqueando o sangue dentro das artérias do coração.  Novos tratamentos iniciaram após esta informação, dentre eles o uso de aspirina para a prevenção destas obstruções.

Mas ainda temos um longo caminho, a ser percorrido para que todas as pessoas possam ter um tratamento rápido e eficiente. Sabe-se que quanto mais rápido iniciar o atendimento melhor. O ideal é que esta pessoa seja atendida nas primeiras horas após o início da dor.  Saber se a dor é de origem do coração e, caso seja iniciar o tratamento o mais rápido possível. A utilização de remédios para evitar o entupimento das artérias ou até mesmo um cateterismo cardíaco podem ser necessário.
Mas, o mais importante é prevenir. A compreensão dos fatores de risco é importante pois a dor cardíaca ainda apresenta risco e com a dificuldade de atendimento de nosso sistema de saúde quanto menos precisarmos melhor.

domingo, 3 de outubro de 2010

Dor no peito em mulheres jovens é sempre doença do coração?





Qualquer pessoa com uma dor no peito pensa primeiro no coração e quer saber se pode ser um ataque cardíaco.
No entanto, na maioria das vezes a dor no peito não vem do coração. Existem diversos motivos que podem levar a esta desagradavel sensação. Sómente após um minucioso exame o médico pode ter certeza que a dor não é do coração e descobrir o verdadeiro culpado dela. 


As mulheres até a menopausa tem menos dores no coração que os homens, os hormônios femininos protegem o coração. Sabe-se que o infarto do miocárdio é mais raro em mulheres menstruadas. Conforme se aproxima a menopausa e os níveis de estrogênio baixam, a chance de doença cardíaca aumenta. É certo que a falta de atividade física, o cigarro e a hipertensão aumentam o risco em todas as pessoas.


Quando uma pessoa tem dor no peito o médico deve pensar em várias possíveis doenças tais como:

1. Angina de peito / infarto;
2. Outras causas cardiacas (obstrução de alguma válvula, hipertensão, etc);
3. Anemia severa;
4. Doenças dos vasos que chegam e saem do coração;
5. Problemas no esôfago;
6. Gastrite e/ou úlcera de estÕmago;
7. Dores musculares ou das articulações;
8. Origem neurológica ou de compressão dos nervos;
9. Pneumonia;
10. Outras doenças pulmonares e, até mesmo
11.Origem psicológica como ansiedade, depressão.



É muito frequente que a dor, independente da sua origem traga ansiedade, que por sua vez aumenta esta desagradável sensação.

É importante que estes fatores sejam separados e tratados pois se é fácil acharmos que a dor no peito é um ataque cardíaco, é mais fácil ainda acharmos que o nervosismo, a ansiedade podem ser a causa de tudo.

Casado(a)? Sua chance de morrer por doença do coração pode ser menor!

Pessoas com doença cardíaca  casados apresentam menor risco de morte por doenças do coração assim como de outras doenças do que os não...