I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Fibrilação atrial: todas são iguais?


A fibrilação atrial é a arritmia que mais leva a consultas médicas. A sensação mais frequente é o coração batendo de  maneira irregular, uma falha e uma batida rápida. Estes sintomas podem ser ocasionais ou durar bastante tempo.
Diversos tratamentos podem ser utilizados, desde medicações até mesmo o tratamento definitivo utilizando-se marcapassos e tambem cateteteres especiais.
Uma das primeiras etapas para estabelecer como tratar  é definir exatamente qual o tipo de fibrilação atrial. 
Existem fundamentalmente tres tipos, que se diferenciam pela duração das crises e como elas respondem ao tratamento:


Fibrilação Atrial Paroxística:A arritmia (os impulsos elétricos anormais e o aumento da freqüência cardíaca) tem início e final súbitos, ou sejam   e terminam sem sinais que antecedem. Os sintomas podem ser leves como palpitações, mal-estar ou mais severos (falta de ar ou mesmo desmaios) e podem durar segundos, minutos, horas ou dias.
Fibrilação Atrial Persistente:O tipo chamado de persistente é uma condição na qual o ritmo cardíaco anormal não para subitamente, apenas com alguma intervenção do médico, pode ser com medicações ou até mesmo um pequeno choque elétrico.
Fibrilação atrial Permanente:

É a situação na qual a arritmia não pode ser interrompida  com os tratamentos habituais.
Tanto a fibrilação atrial paroxística e persistente, pode se tornar mais freqüentes e, ao longo do tempo, resultando no tipo permanente.É muito importante que, caso você procure um médico, descreva exatamente o que está sentindo, assim o melhor tratamento pode ser utilizado.

5 comentários:

  1. Fui submetido a duas ablações e vários tratamentos com medicamentos e eletro-cardioverções, não tem solução. Qual é o risco?

    ResponderExcluir
  2. Olá, como voce pode ver nas diversas postagens sobre o assunto (http://foradoponto.blogspot.com/search/label/fibrila%C3%A7%C3%A3o%20atrial) existem diversas causas e diversos tratamentos disponíveis. Converse com um médico especialista (eletrofisiologista) e discuta quais as possibilidades de tratamento, riscos e chances de sucesso de cada um dos tratamentos. Boa sorte.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite
    Tive FA paroxistica. Senti como se meu coração fosse uma batedeira. Fui internado com ataque de ancoron. Reverteu em duas horas. Liberado em 24hrs utilizando 50 mg de selozok diária. Depois passei para atelonol 25mg. Um mês depois tive uma crise de ausência de batidas, diferente da FA. Pode ser extrasistole ou fibrilacao atrial? O que fazer?
    Tenho 42 anos. Parei de beber por causa disso. Na última crise não bebi bebida alcoólica.
    Estava tomando banho em Cachoeira. Pode ser choque térmico
    Minha Qualidade de vida caiu drasticamente
    peço si ajuda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Sukinha, sugiro que procures seu médico. Existem hoje diversas opções para tratar estas arritmias. Porém, é mais fácil prevenir. O blog tem muitas dicas para isto.
      Obrigado pela visita

      Excluir
  4. Quando me deito, entrando em relaxamento, meu coração para de bater e parece se deslocar para a garganta, dou um pulo e ele volta a bater bem forte e muito acelerado, tento me acalmar, mais se deito denovo e quando estou relaxando e quase adormecendo, acontece denovo. São muitas noites praticamente em claro. Estou muito preocupada,alguém poderia me dar algumas dicas.

    ResponderExcluir

Dia do portador de marcapassos

Em comemoração ao  Dia do Portador de Marcapasso , 23 de setembro, cardiologistas de todo o Brasil vão promover uma campanha orienta...