I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

domingo, 29 de novembro de 2009

Morte Subita durante voo mata tanto quanto os acidentes aéreos


   De acordo com estatísticas da IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo), em 1950 viajavam por ano no mundo todo, perto de 10 milhões de pessoas. Atualmente este número é aproximadamente 350 milhoes.
   Existe uma taxa de 1 problema grave de saúde a bordo para cada 500 mil passageiros transportados, o que dá um total de aproximadamente 700 ocorrências graves de saúde a bordo. Destas, aproximadamente 70% são ataques cardíacos, ou seja, perto de 500 pessoas por ano em todo mundo. 
   Por outro lado, também de acordo com a IATA, houve, em 2009, cerca de 60 acidentes aéreos, com aproximadamente 750 mortes. Com estes números conclui-se que os ataques cardíacos em pleno vôo matam mais pessoas do que os acidentes aéreos.
A alta mortalidade cardíaca é agravada por fatores como:
   Baixa pressão atmosférica durante o vôo; a baixa pressão dentro das cabines provoca uma expansão dos gases de até 30% de seu volume. Todas as cavidades ocas do corpo humano se expandem e podem provocar problemas nos tímpanos e náuseas por dilatação do estomago e do intestino. Pessoas com cirurgia pulmonar ou abdominal recente não devem viajar de avião. Existe um risco de rompimento das suturas.
   Umidade do ar: A umidade do ar durante um vôo é de 10-20%, quando o ideal é de no mínimo 40%. Essa baixa umidade pode desencadear crises de asma ou bronquite.
  Níveis de Oxigênio: Um avião é pressurizado, mas esta pressão não é igual a do nível do mar. Quando os aviões atingem sua altura de cruzeiro, por volta de 12.000 metros, a pressão da cabine é equivalente a 2.500 metros de alturaPessoas normais não sentem esta falta de oxigênio, pois o nosso corpo compensa essa falta com aumento da freqüência cardíaca, respiratória e do volume de ar inspirado em cada ciclo respiratório. A saturação de oxigênio sanguíneo, que costuma ser de 99% ao nível do mar, cai para 94% durante os vôos. Isto causa certo desconforto e cansaço durante vôos mais longos. Já pessoas com doenças cardíacas ou pulmonares, que apresentam taxas de oxigênio abaixo de 95%, podem não conseguir compensar essa diminuição do oxigênio e apresentar taxas abaixo de 90%, o que é insuficiente para o bom funcionamento de vários órgãos. Neste momento, podem acontecer isquemias cardíacas, intensa dor no peito, falta de ar e uma parada cardíaca.
   Por outro lado, é sabido que durante uma parada cardíaca, o pronto atendimento é fundamental e aí que vem o problema. Na maioria das  cias. aéreas, os comissários não recebem treinamento básico adequado nas manobreas básicas de ressucitação cardíaca.  Quando tem um problema, a comissária simplesmente solicita a ajuda de algum médico que eventualmente esteja a bordo. Este, muitas vezes, quer ajudar a salvar uma vida, mas não encontra as condições mínimas necessárias. Um simples desfibrilador automático, que é um aparelho que emite choques elétricos para recompor o ritmo dos batimentos cardíacos e que custa no mercado algo em torno de R$ 6.500,00, pode salvar uma vida, mas infelizmente, a vida humana não vale este investimento para algumas empresas. Este post foi retirado de blog sobre aviação da tripul. Daniele Carneiro.

7 comentários:

  1. Sim, devemos então alertar os usuários das empresas aéreas a exigirem da ANAC que obriguem as empresas aéreas a disponibilizarem os equipamentos necessários.
    Penso que assim já estou procedendo com este comentário, alerta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dr. Cidio me senti mal em um vôo rápido de 50 min, senti falta de ar, taquicardia, fraqueza, sensação horrível, mas que passou até o final do vôo. Já fiz várias viagens aéreas, inclusive fiz vôos internacionais sozinha e nunca senti absolutamente nada. O que será que aconteceu?? Não tenho problemas de saúde, nem tomo nenhum remédio. Obrigada e parabéns pelo blog. Cristiane

      Excluir
    2. Olá, viagens aéreas podem desencadear uma série de modificações, a maior parte delas de curta duração. Sugiro que procures um médico.
      Obrigado pela visita.

      Excluir
  2. Sou usuaria de marcapasso e tenho arritmia. Tomo sotalol e enalapril 2x ao dia. Fiz um teste recentemente de ergometria e não posso fazer muito esforço. Podia fazer um voo de 4 horas? Quais os procedimentos que deveria tomar? OBS: meu Médico é público e só verei em abril.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada DePaula, nenhum recurso da internet pode substituir a consulta com seu médico. Pra saber se podes ou não viajar vários fatores deem ser levados em consideração.
      Obrigado pela visita

      Excluir
  3. Dr. Meu marido desmaiou duas vezes durante o vôo internacional de aproximadamente 6 horase cada, com escalas. Foi atendido por médicos e constataram a pressão baixa de 9x5, normalmente é 12x8. Vamos voltar daqui 3 dias e estou preocupada, se ele passar mal o que devo fazer? Ou o que fazer pra prevenir que passe mal.Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, nenhum recurso da internet pode substituir a consulta a um médico.
      Obrigado pela visita

      Excluir

Dia do portador de marcapassos

Em comemoração ao  Dia do Portador de Marcapasso , 23 de setembro, cardiologistas de todo o Brasil vão promover uma campanha orienta...