I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

A história se repete: mais uma morte subita em atleta

O ex-meia do Grêmio e do Vila Nova de Goiás, Paulo Ramos. foi enterrado, nessa quarta-feira, em Goiânia. Ele tinha 24 anos e morreu em decorrência de uma parada cardiorrespiratória, na última terça-feira, quando jogava futebol com amigos em um sítio no interior do Estado. Ainda em campo, Paulo recebeu massagem cardíaca, sendo transportado ao  Hospital Monte Sinai, onde os médicos tentaram reanimá-lo, sem sucesso.
O ex-jogador tinha abandonado a carreira em março de 2008 em razão de uma arritmia cardíaca, aendo avaliado por diversos cardiologistas e todos indicaram a necessidade de suspensão da atividade física. A morte do meia Paulo Ramos não foi a primeira por problemas cardíacos no futebol.

Alguns casos já noticiados dentro dos gramados.

SERGINHO DO SÃO CAETANO
Em partida contra o São Paulo, em 2004, o zagueiro Serginho, do São Caetano, desmaiou no gramado do Morumbi após sofrer uma parada cardiorrespiratória. Atendido ainda no estádio, o jogador foi levado ao hospital, mas acabou morrendo no mesmo dia.

FOE DA SELEÇO DE CAMARÕES
Na semifinal da Copa das Confederações, em 2003, o camaronês Marc-Vivien Foe sofreu uma parada cardíaca em campo na partida contra a Colômbia. Apesar da tragédia, Camarões voltou a campo dias depois para encarar a França, seleção campeã da competição.

PUERTA DO SEVILLA
Também vítima de parada cardíaca, Antonio Puerta desmaiou no gramado durante um jogo contra o Getafe pelo Campeonato Espanhol, em 2007. Ajudado por companheiros, Puerta ainda se levantou e foi conduzido ao vestiário, onde sofreu outras cinco paradas.

A caminho do hospital, Puerta sofreu novas paradas, e, depois de permanecer internado por três dias, morreu por falta de nutrientes e oxigênio no cérebro.

FEHER DO BENFICA
Jogador do Benfica, Feher disputava uma partida contra o Guimarães, em 2004, e após uma jogada mais dura se sentiu mal e desmaiou em campo. Socorrido pelos médicos do clube ainda no gramado, foi constatada a parada cardíaca, que o levou a morte no mesmo dia.

DANI JARQUE DO ESPANYOL
Jarque conversava com a esposa, por telefone, na concentração do Espanyol, quando desmaiou. Apesar de ter sido levado rapidamente para um hospital, os médicos não conseguiram reanimá-lo.

fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Casado(a)? Sua chance de morrer por doença do coração pode ser menor!

Pessoas com doença cardíaca  casados apresentam menor risco de morte por doenças do coração assim como de outras doenças do que os não...