I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

domingo, 26 de julho de 2009

Michael Porter e o sistema de saúde: II

Michael Porter é reconhecidamente o maior especialista em estratégia nas empresas. Suas teorias sobre forças competitivas, gestão, tipos de estratégias, relacionamento entre empresas e cadeias de valor o colocam como sendo o grande gurú da administração das corporações modernas. Em seu modelo de gestão, todos as etapas são conduzidas por processos adequados e dirigidos para a sustentabilidade da coporação.
Ele é o Sigmund Freud da gestão corporativa.
Em sua releitura dos sistemas de saúde Michael Porter, aponta várias facetas do problema da falta de foco no paciente.
Hoje abordaremos a questão da escolha dos serviços médicos:
No sistema atual, os pacientes não escolhem os serviços médicos pela qualidade, na maior parte das vezes esta escolha é realizada pelo convênio pagador do serviço. Nesta premissa, a qualidade do serviço prestado não é avaliada pelo convênio ou pela sociedade. Sómente quando acontece algo muito fora do comum ou aberrante é que os demais elos da corrente ficam sabendo. Ninguem sabe quais são os resultados dos tratamentos realizados por cada hospital. Será que a equipe é boa no que faz? Será que o hospital compra os remédios nas dosagens certas? Será que o valor que o convênio paga permite que o médico consiga estudar para tratar melhor seus doentes? Porque os funcionários dos hospitais tratam mal as pessoas? Porque os resultados e os processos internos dos hopsitais não são publicados e auditados?
Perguntas como estas são fundamentais para que possamos escolher aonde vamos levar nossos queridos para serem tratados.
Caso a excelência do serviço prestado seja valorizada, a escolha do serviço médico será realizada pelo cliente tendo em mente a qualidade dos serviçois prestados. Os bons serviços serão recompensados, quem não for competente no que faz, que faça melhor ou mude de ramo.


quarta-feira, 22 de julho de 2009

Vida saudável diminui o risco de insuficiênca cardíaca

Em estudo publicado hoje no Journal of American Medical Association (JAMA), foi constatado que os hábitos de vida saudáveis estão associados a menor risco de insuficiência cardíaca.

Estes resultados são derivados de um banco de dados sobre a saúde de 21000 médicos americanos saudáveis. Fatores como aumento de peso, tabagismo, sedentarismo, consumo elevado de alcool e baixo consumo de frutas e verduras foram diretamente associados com o aumento do risco de falência do coração.
A insuficiência cardiaca é a falha do coração em bombear o sangue. Seu tratamento é complexo, podendo exigir diversas medicações até mesmo o implante de marcapassos especiais.
Usualmente conhecida como "coração grande" leva a sintomas como cansaço, dificuldades para realizar atividades físicas e aumenta o risco de morte súbita.

fonte: http://jama.ama-assn.org/cgi/content/short/302/4/394?home

terça-feira, 21 de julho de 2009

Diagnóstico de ataques cardíacos a distancia


Hospitais americanos estão testando equipamentos que permitem a transmissão de um eletrocardiograma diretamente para o smartfone do cardiologista. A utilização deste tipo de tecnologia permite que o exame seja avaliado por um especialista mesmo a distância. Pode ser utilizado tanto para avaliar sintomas como dor no peito,palpitações, taquicardias, dor no peito, fazendo o diagnóstico dos mais diversos tipos de arritmias e até mesmo infarto.,

Em um pais como o nosso com as dificuldades de nosso sistema de saúde, as grandes distâncias (principalmente norte/nordeste), a carência de especialistas e a e a concentração dos existentes nas grandes cidade, o uso destas tecnologias nos postos de saúde e hospitais da periferia permitiria um diagnóstico correto em curto espaço de tempo. O tratamento poderia então iniciar o mais rapidamente possível. Já é sabido que quanto mais rápido iniciar-se o tratamento no infarto agudo do miocárdio, menor o risco de complicações com importante melhora na sobrevida.

fonte: http://ohmygov.com/blogs/general_news/archive/2009/07/20/remote-ekg-reading-technology-shows-promise-for-va.aspx

domingo, 19 de julho de 2009

Quociente de Inteligencia pode estar vinculado a maior incidência de doenças cardiacas

Em polêmico artigo publicado em 15 de julho na revista European Heart Journal pesquisadores americanos constataram que o resultado do teste de Q. I. (quociente Intelectual) pode definir um grupo com maior risco de morte por doenças cardiovasculares. Para este estudo foram testados mais de 4000 ex-soldados americanos, os pesquisadores mostraram que apenas o resultado do teste explica uma diferença mais de 20% do risco que existe quando compara-se as doenças pela classe social. Este risco se soma ao risco do tabagismo, pressão alta e obesidade.
Ou seja, nas classes economicamente mais limitadas, o risco de doenças cardiovasculares é maior devido a maior incidência de fatores de risco como tabagismo, hipertensão e obesidade. Se analizarmos apensas as diferenças do Q.I. o risco aumenta em mais 20 %, ao menos na população americana.
Em editorial escrito por autoridades em epidemiologia e publicado simultaneamente, foram feitos interessantes comentários tentando achar uma explicação para o resultado:
1- A inteligência pode levar a um aumento da procura por uma " vida saudável" .
2- A inteligência leva a melhores posicionamentos sociais, o que por si só leva a novos padrões de comportamento.
3- A inteligência pode servir de marcador para alguma outra situaçã que esteja associada a aumento de risco de doença cardíaca.
4- Pode ser ainda uma combinação de algum destes fatores.
Eles especulam que a melhoria na educação das crianças poderia levar a adultos mais saudáveis.
Bem, estes achados devem ser confirmados antes de serem aceitos como verdadeiros, porém devem ser analizados sem politização nem discriminação. Devem servir como alerta sobre a responsabilidade social que todos temos e devemos assumir, antevendo um mundo melhor, com menos desiqualdades e mais saudável para todos.
Estes achados tem relação direta com os posts sobre o sistema de saúde e a visão de Michael Porter. Quanto maior a atenção com a prevenção, menor a despesa com saúde para todos.
Cuidado com a fácil politização destes achados. São fáceis e infantis as interpretações xenofóbicas e de descriminação.
Este estudo demonstra a cada vez maior importância da inclusão social como fator de otimização da aplicação de recursos sejam financeiros sejam sociais, com benefícios a todos.

Links:

sexta-feira, 17 de julho de 2009

O perigo de não tomar remédios corretamente

A utilização irregular da medicação prescrita pode causar problemas sérios de saúde, conforme dados de estudo publicado online. Partindo de uma base de dados com mais de 100 mil conveniados a um plano de saúde, foram avaliados os pacientes com doenças cardíacas. Aqueles que tiveram internação hospitalar, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, cirurgias cardíacas ou óbito foram comparados com cardiopatas que não internaram em hospitais.
Os pacientes que tomavam seus remédios conforme a receita do médico apresentaram menor número de internações hospitalares, menor número de infartos, menos cirurgias e menor mortalidade.
Alguma surpresa neste resultado? Parece óbvio, mas não é bem assim.
Para muitos, o simples fato de tomar medicação é um problema. Alguns porque não gostam de sentir-se dependentes, outros porque acham que nunca ficam doentes, outros ainda acham que complicações só acontecem com os outros.
Os problemas ainda são maiores: aqueles que não gostam de tomar os remédios são os mesmos que não seguem as demais recomendações como controlar o peso, não fumar, evitar comidas gordurosas, medir a pressão regularmente, etc.
Tendo como objetivo melhorar a qualidade do tratamento médico, devemos todos trabalhar para que haja maior adesão aos tratamentos propostos.
A difusão das informações sobre o risco das doenças, seus tratamentos e sua prevenção é fundamental e a utilização da internet pode ser uma ferramenta muito útil tanto para aqueles interessados como para os médicos ou demais provedores de cuidados.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Fibrilação Atrial: mais luz sobre suas origens

A fibrilação atrial (batimentos irregulares) é a arritmia mais frequente e mesmo assim sempre foi relegada a segundo plano pelos médicos. Nos últimos anos esta percepção tem modificado. Diversos estudos tem mostrado que a fibrilação atrial está associada a um significativo aumento no número de Acidentes Vasculares Cerebrais ("derrames") e expressivo incremento na mortalidade. Muito está se aprendendo sobre esta doença, inclusive maneiras de trata-la bem, promovendo a cura em muitos casos. Hoje conhece-se o que desencadeia, aonde ela inicia, o que a perpetua, mas não se conheçe adequadamente o porque de seu surgimento. Algumas luzes estão surgindo.

A poucos dias foi publicada na prestigiada revista científica, Nature Genetics, a descoberta que uma variação de um gene (ZFHX3) está vinculado a um aumento de 20% no risco de fibrilação atrial. Parece pouco mas não é. A fibrilação atrial é a arritmia que causa mais visitas a emergência, estima-se que aprox. 600 mil pessoas nos Estados Unidos tem esta arritmia portanto, 20 % começa a tornar-se uma percentagem importante. O estudo recém publicado estima que mais de um terço dos indivíduos de origem européia apresentam a variante genética que predispõe a este aumento de risco.

Esta já é a terceira demonstração da possibilidade de origem genética para esta arritmia.

.

publicação: http://www.nature.com/ng/journal/vaop/ncurrent/abs/ng.417.html.

sábado, 11 de julho de 2009

Fumo: o mais importante fator de risco antes dos 40 anos

Em recente estudo finlandes, foi detectado que pessoas que fumam tem 5 vezes mais chances de ter um infarto do miocárdio do que os não fumantes.
O estudo foi conduzido utilizando uma base de dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) especialmente formatada para avaliação de riscos cardiovasculares (MONICA) em 21 paises durante mais de 10 anos.
Com certeza, apesar do fumo ser o mais importante, outros fatores podem contribuir tais como, aumento do colesterol, hipertensão, obesidade ou mesmo.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Repensando o Sistema de Saúde - Michael Porter

Em artigo publicado ontem na mais respeitada revista médica New England Jornal of Medicine, o gurú de gestão corporativa, Michael Porter, fez uma profunda crítica ao sistema de saúde americano. Ele vem já a alguns anos tentando incorporar princípios de gestão corporativa competitiva para as empresas do setor médico hospitalar. O setor como um todo não tem experiência em competitividade, muito menos na gestão da saúde. A especialização de todos é a doença.
Porter comenta que o sistema, da maneira que está estruturado, para a gestão da doença e não da saúde. Os médicos são apenas a ponta do iceberg. Os hospitais, clínicas, laboratórios, planos de saúde, o governo e os próprios pacientes são componentes fundamentais deste processo e cada um tem a sua parcela de culpa.
Este assunto é extenso e será objeto de novos posts.

http://content.nejm.org/cgi/content/full/361/2/109?query=TOC

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Psoriase aumenta o risco de doença cardiovascular

A Psoriase é uma doença de pele muito frequente, que acomete aprox. 1% da população mundial.
É caracterizada por manchas vermelhas com descamação, usualmente em cotovelos e joelhos. Só raramente está associada a algum tipo de complicação, pelo menos é o que se pensava.
Recentemente foram publicados vários estudos que, consistentemente, mostraram vinculos entre a presença de psoriase e aumento da incidência de eventos cardiovasculares. O risco cardiovascular aumentou em 30% e o risco de acidentes vasculares cerebrais em 12 %. Estes resultados são independentes do grau de severidade da psoriase.
Na população que não tem psoriase, o risco de surgir algum tipo de evento cardiovascular em dez anos é de 9,5 %. Naqueles que tem psoriase, o risco aumentou para quase 13 %. Isto é um incremento de quase 28 % no risco de doenças cardiovasculares, mesmo com os outro fatores controlados.
Portanto, quem tem psoriase deve se preocupar ainda mais em controlar os outros fatores de risco para doenças cardíacas, como fumo, obesidade, pressão alta, colesterol, etc. Maiores detalhes no post abaixo

http://foradoponto.blogspot.com/2009/06/cidade-que-mudou-cardiologia-framingham.html

domingo, 5 de julho de 2009

Circulando na Internet

Seguidamente sou convidado para palestras em vários lugares do pais. Usualmente a platéia é formada por médicos com interesses em arritmias cardiacas. São cada vez mais frequentes os convites para participar em palestras com grupos como estudantes, profissionais de outras áreas e as mais diversas instituições de classe ou mesmo comunitárias. Faço o possivel para atender a todos os convites que chegam, por isto meu material acaba sendo de conhecimento de muitas pessoas. Hoje aconteceu algo inusitado. Recebi via e-mail, uma palestra que EU mesmo preparei e apresentei há alguns meses ! Bom, parece que gostaram do material e, ao menos mantiveram os créditos..... Como ela já está circulando, resolvi hospedar uma cópia no slideshare.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Telemedicina

O rápido avanço das tecnologias médicas junto com a capacidade de transmissão de dados por banda larga, tem possibilitado que o conceito da Telemedicina esteja cada vez mais perto de nós. Talvez seja o caminho para a democratização do acesso aos cuidados médicos, independendo da localização. A tecnologia permite a presença de um especialista virtual em qualquer lugar do mundo, "real-time".
Parece um pouco distante da realidade brasileira mas, a dificuldade é política e não técnica (pra variar).
O Blog de Tecnologia da Informação em medicina (http://timedicina.blogspot.com/2009/06/telemedicina.html ) publicou um post resumido mas muito claro sobre os caminhos da telemedicina.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Nova medicação para arritmias aprovada nos Estados Unidos

Hoje foi aprovado para uso comercial nos Estados Unidos nova medicação para o tratamento de arritmias cardiacas: Multaq (donedarona). Esta medicação deve substituir em muitos casos, o uso de Amiodarona, excelente antiarrítmico mas com efeitos colaterias severos (tireóide, olhos, pulmões) e frequentes. O laboratório que produz a nova medicação (Sanofi) informa, extra-oficialmente, que no ano que vem teremos o Multaq no Brasil.



http://www.fda.gov/NewsEvents/Newsroom/PressAnnouncements/ucm170276.htm

Os fabricantes de dispositivos de fitness ou qualquer dispositivo com sensores relacionados com a saúde, geralmente são cuidadosos e r...