I M P O R T A N T E

As informações, sugestões e tratamentos citados neste blog e em seus links tem caráter apenas informativo, nunca substituindo a opinião ou conselho de seu médico.

terça-feira, 19 de setembro de 2017




Os fabricantes de dispositivos de fitness ou qualquer dispositivo com sensores relacionados com a saúde, geralmente são cuidadosos e relembram os clientes que os dados desses dispositivos não devem ser interpretados como informações médicas conclusivas ou substituir a opinião de um profissional. A Apple, no entanto, pode estar a ir numa direcção diferente e poderá anunciar o Apple Watch como uma potencial ajuda médica. Fontes próximas do assunto afirmam que a Apple está a trabalhar com a universidade de Stanford (USA) e uma empresa de telemedicina para determinar se o wearable é preciso e sensível o suficiente para detectar de forma confiável ritmos cardíacos anormais. A detecção de arritmia, principalmente fibrilação atrial é a principal função deste tipo de sensor.
Se alguma vez for aprovado, colocaria a Apple um passo mais perto das suas ambições de conseguir uma posição na área da saúde. 

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Dia do portador de marcapassos




Em comemoração ao Dia do Portador de Marcapasso, 23 de setembro, cardiologistas de todo o Brasil vão promover uma campanha orientada pelo para orientar a população como identificar sua frequência cardíaca sem a necessidade de nenhum equipamento especial. Desta forma, é possível detectar alterações nos batimentos cardíacos, que podem ser indicativos de arritmias cardíacas.
Com o tema TOME UMA MEDIDA DE PULSO, médicos e profissionais da área de saúde vão orientar como medir a frequência cardíaca de forma bastante simples: pela medição dos batimentos no pulso.
O número de batimentos cardíacos considerado normal, em adulto, está entre 60 e 100 por minuto, ou um batimento por segundo. Abaixo desse valor, quando ocorrem batimentos cardíacos lentos ou a pessoa apresenta sintomas como tonturas, escurecimento visual, desmaios, sente-se cansada e frequentemente ofegante, ela deve procurar um cardiologista para avaliação e eventual tratamento. Em casos mais severos o tratamento pode ser o implante de marcapasso definitivo. 

Porque verificamos a frequência cardíaca no pulso?

Cada batimento cardíaco gera uma onda de pressão que é transmitida a todo organismo pelas artérias, com facilidade podemos palpar a artéria que passa pelo pulso, artéria radial.

Como medir a freqüência cardíaca.
Para medir a frequência de pulso coloque os dedos indicador e médio (nunca o polegar sobre o punho oposto, abaixo da base do polegar. Pressione levemente até sentir as pulsações. No início é mais difícil mas depois da primeira vez não erramos mais.
Para realizar a medida sinta os batimentos por 15 segundos e multiplique por 4, assim teremos a frequência cardíaca por minuto. Fácil assim.
Parabéns aos colegas do DECA pela organização da campanha


As informações contidas neste blog não substituem a consulta médica

 OBS: existem diversas postagens no blog sobre este tema

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Mal súbito ao volante - Revista Entre-Vias



Mal súbito ao volante - Revista Entre-Vias: De acordo com a Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), aproximadamente 4% dos acidentes com mortes são causados por doenças do motorista, e problemas cardiológicos são considerados um dos principais motivos de mal súbito. Estudo realizado no Brasil pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) chegou à conclusão de que 23% dos acidentes automobilísticos têm relação com problemas de saúde, superando o número de mortes por tumores e por causas externas. Denise Hachul, arritmologista e presidente da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac), informa que as...

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Tenho arritmias, posso voar?



 


Em 2014, estimativas indicam que 3,3 bilhões de pessoas utilizaram transporte aéreo, com relatos de 1 morte súbita a bordo a cada  5,7 milhões de passageiros. Com o incremento do tráfego aéreo, bem como de idosos, não chega a surpreender o fato de que vêm aumentando as estatísticas de emergências médicas a bordo de aeronaves Neste contexto, com alguma frequência ouço a famosa pergunta,  "Doutor, posso voar?"
 Existem cuidados básicos que todos aqueles que fazem tratamento médico devem seguir: 
  1. Ter em mãos relatório médico sucinto de sua condição, bem como informações de contato do médico assistente;  
  2. Manter sempre consigo, a medicação de uso diário, evitando atrasos no horário em caso de extravio de bagagem; 
  3. Se você é portador de marcapasso ou desfibrilador leve sempre mais uma cópia de sua carteira de identificação, guardando em local diferente.
  4. Em caso de deslocamentos que impliquem em mudança importantes de fuso horário (mais de 3 hs), o médico deve ser consultado para avaliar se há necessidade de ajustar os horários de ingestão dos medicamentos.
  5. Informar-se sobre as condições de saúde pública do local de destino, adotando medidas preventivas quando indicado; 
  6. Quando em viagens internacionais, é altamente recomendado a compra de seguro-saúde pois os custos podem ser muito elevados.

Os textos contidos neste blog são apenas para informação. Em caso de dúvidas específicas, o médico deve ser consultado.

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Yoga melhora a qualidade de vida em pacientes com arritmias




 Pesquisa recentemente publicada sugere que yoga melhora a qualidade de vida em pacientes com arritmias cardíacas, especialmente em um dos tipos mais frequentes, a fibrilação atrial. A frequência cardíaca e pressão arterial também diminuiram nestes pacientes.
 "Muitos pacientes com fibrilação atrial (FA) não podem viver suas vidas como eles gostariam - porque eles têm medo de um episódio de arritmias", conforme Maria Wahlström, enfermeira do Instituto Karolinska em Estocolmo, Suécia.
 Frequentemente os portadores de fibrilação atrial procuram outros tratamentos, por isso é necessário avaliar o que efetivamente pode ser útil.
 O estudo incluiu 80 pacientes com FA paroxística. Metade foi prescrito a pratica de yoga e outro grupo sem yoga. Ambos os grupos receberam o mesmo tratamento com medicação, e outros cuidados, conforme necessário.
 Após 12 semanas, os dois grupos foram testados. e o grupo de yoga apresentou melhor saúde mental, menor frequência cardíaca, e pressão arterial  do que o grupo controle.
 Ou seja, a prática de yoga pode ser útil para melhorar a qualidade de vida de pessoas com arritmias, sempre após avaliação médica, nunca  substituindo os demais tratamentos indicados.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Arritmias: para que utilizamos o estudo eletrofisiologico?








 Às vezes seu coração está fora de ritmo e, como já vimos, a mudança de alguns hábitos de vida podem resolver o problema. Eventualmente seu médico pode solicitar alguns exames e receitar alguma medicação para o tratamento.
  Porém, em casos mais graves existe um exame que pode auxiliar o correto diagnóstico e orientar o melhor tratamento.  Este exame é chamado de  estudo eletrofisiológico. Utilizando-se cateteres bem finos é realizado um mapeamento intracardíaco, semelhante a um eletrocardiograma.
 O Estudo eletrofisiológico é uma forma de diagnosticar as causas de síncopes (desmaios), pré-síncopes (tonturas) e palpitações ("batedeira"); esclarece o mecanismo e a origem das arritmias; avalia se os medicamentos antiarrítmicos estão sendo eficazes, orienta sobre a necessidade e efetividade da cura definitiva de muitas arritmias (ablação), além de auxiliar a avaliar o funcionamento marcapassos especiais que controla as arritmias severas automaticamente.
 Esse método que é o mais moderno utilizado nos grandes centros de cardiologia do mundo. Ele é feito por dentro das veias e artérias.
 Vale lembrar que com as novas tecnologias esses procedimentos são muito seguros e com eficazes para auxiliar o médico para que tome a decisão mais adequada para o tratamento da doença cardíaca. Apesar do risco ser muito baixo, nenhum procedimento no coração é isento de riscos.
 Por isso é  importante visitar seu cardiologista sempre e, se possível um médico especialista em arritmia cardíacas.


As postagens servem para orientação e esclarecimento, em caso de dúvidas ou discussão sobre seu problemas procure apenas o médico.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Como previnir as doenças do coração?




No dia 14 de agosto foi comemorado o Dia do Cardiologista. Para homenagear estes profissionais, entrevistamos o cardiologista do Hospital Ernesto Dornelles, Cidio Halperin, para conhecermos a importância dele e também da prevenção das doenças do coração.
Quais as principais doenças do coração e como evitá-las?
Nosso coração pode sofrer de diversos tipos de doenças, a cardiopatia isquêmica (entupimento das artérias) e a hipertensão arterial são as mais frequentes. A cardiopatia isquêmica diminui a quantidade de sangue recebido pelo coração podendo causar dor no peito (angina) ou até mesmo infarto. A hipertensão arterial frequentemente não traz sintomas, porém, suas complicações podem ser muito graves quando não prevenidas. Muitas doenças não cardíacas graves como o AVC (derrame cerebral) pode ter como causa doenças cardíacas, sendo a mais frequente uma arritmia chamada de fibrilação atrial.
Quais os fatores de risco para o coração?
Diversas situações podem ser modificadas para diminuir o risco de doenças no coração:
1- Parar de fumar. Os fumantes têm duas vezes mais risco de apresentar doenças no coração;
2- Praticar atividade física de rotina, ao menos 30 minutos, três vezes por semana. Atividades como a caminhada podem diminuir muito o risco de doenças do coração. Sempre procure seu cardiologista antes de iniciar atividades físicas;
3- Controlar o colesterol: este é um tipo de gordura que pode depositar-se nas artérias do coração;
4- Controle da alimentação: O excesso de peso aumenta o trabalho do coração e está associado a aumento da mortalidade, assim como o consumo excessivo de sal. A dieta deve ser balanceada com aumento da ingestão de frutas e verduras;
5- Medir a glicose no sangue para evitar ou controlar a presença de diabete;
6- Controle das emoções. Estamos todos os dias expostos a situações estressantes e isto nem sempre podemos modificar, porém, a maneira com que lidamos com elas está sob nosso controle;
7- Sabe-se que pessoas que possuem algum familiar próximo com doenças no coração tem maior risco de também apresentarem problemas.
É recomendável consultar regularmente um cardiologista?
Para pessoas que não tem problemas cardíacos sugere-se que: 
Entre 30 e 40 anos de idade, a cada 3 anos.
Entre os 40 e 50 anos, a cada 2 anos. 
Após os 50 e 60 anos, o cardiologista deve ser visitado anualmente.
É claro que, caso seja detectada a presença de alguma doença no coração ela deve ser tratada e as consultas agendadas com seu cardiologista.
O que fazer para ter o coração saudável?
O principal é a prevenção: alimentação saudável, controle do peso, atividade física de rotina e parar de fumar. Não esqueça de visitar regularmente seu médico para fazer exames como a medida do colesterol de glicose no sangue. Uma vida saudável é igual a menos doenças no coração, menos remédios e melhor qualidade de vida.
Alguma outra observação?
Não existe como prever se você terá ou não doença no coração, porém, caso surjam indícios de um risco maior, o controle médico e nutricional adequado podem fazer com que suas consequências e complicações sejam menores levando a uma qualidade e expectativa de vida semelhantes a quem não tem problemas. Visite seu médico e faça as avaliações de rotina.

























http://www.hed.com.br/novidades/publico-geral/noticias/3258/Conheca_as_doencas_do_coracao_e_como_preveni_las

Os fabricantes de dispositivos de fitness ou qualquer dispositivo com sensores relacionados com a saúde, geralmente são cuidadosos e r...